1 de fevereiro de 2016

O Céu, o Mar e Eu.
















Outrora assisti o Céu
Inalcançável, impossível 
Sempre presente, sempre distante
Azuláceo absoluto e hipnotizante

Outrora contemplei o Mar
Profundo e misterioso
Tentador e, por vezes, perigoso
Exatamente onde queria estar 

Outrora observei o dia
E então, quem diria?
Quem diria que um dia
O impossível e profundo aconteceria

O Céu veio a mim, juntou-se ao Mar
Projetou luz num olhar
Decidiu então me abraçar
Ahh, o profundo Mar.

Sussurrava o som das ondas em meu ouvido
Assim como o bater das asas de um pássaro perdido
Mistérios das mais profundas águas
E verdades sobre os mais altos voos das águias

E assim como um sonho bom, o Céu partiu
O Mar, ao longe, sorriu e dormiu
Ainda recordo-me do toque, do cheiro
Ao olhar fios do Céu cabelo espalhados pelo travesseiro.


-Igor Thomas

3 comentários:

  1. Amo você infindamente. Como o céu, como o mar. Não se vê início, nem fim, só a imensidão do azul.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir